Talib Kweli - EARDRUM

Talib Kweli lançou um álbum ao qual não me posso mostrar indiferente e dizer que é apenas mais um na sua carreira pois tratou-se de um cd que me cativou atenção durante varias semanas, não só porque o tinha de criticar como também me encontrava realmente a desfrutá-lo. (a ter em conta para os melhores de 2007)
Aproveito para deixar o vídeo do seu último single ‘ HOT THING’ e também a respectiva critica editada na IVStreet.


Talib Kweli
Ear Drum
BlackSmith Records



Surgiu para a ribalta num dueto interessantíssimo com Mos Def, depois aliou-se a Hi-Tek de onde resultou um belo ‘Train Of Thought’ e finalmente lança-se a solo.
È esta ideia que fico de Kweli, a de alguém que se encontra sempre envolvido nalgum projecto, basta olhar ou ouvir as diferentes ‘colabos’ que tem tido, fora as mixtapes em que se envolve, mais a sua nova editora BLackSmith Records.
Naquele que diz ser o seu 3º álbum a solo, relegando o anterior ‘Right about now’ para uma prateleira de cerca de 9 mixtapes, o que se vem tornando hábito na sua pessoa.
Estamos perante o álbum que Kweli mais promoveu, senão olhemos para o 1ºsingle ‘Listen’ que começou a circular na net juntamente do videoclip com cerca de um ano de antecedência, para não falar na ‘dream team’ de produtores que conseguiu juntar, tais como MAdlib, Just Blaze, Will.I.Am, Pete Rock, Kanye West e Hi-Tek. DAMN!!! Mas atenção porque os nomes menos sonantes em momento algum baixaram o nível. (o 1º single é produzido pelo desconhecido, Kwamé).
Digamos que estamos perante um registo abrangente pois podemos contar com faixas de carácter interventivo e social ou situações mais pessoais.
Kweli aproveitou bem aquilo que certamente é um dos seus pontos fortes, isto é, um flow rápido e enérgico, com linhas sempre bem preenchidas acompanhado dum fundo musical sempre acelerado, dando impressão que é aqui que o Mc se sente mais confortável.
Passemos ao álbum propriamente dito focando alguns pontos de destaque porque o resto fica para vocês descobrirem.
Say Something’ tem a clássica introdução do som ‘Funky Child’ dos Lords of the Underground com o anfitrião e Jean Grae a alto nível e rotação, segue-se ‘Country cousins’com UGK em que se partilham pontos de vista do HipHop nova iorquino e aquele proveniente do ‘Dirty South’, próxima paragem é ‘Eat to live’, um storytelling em que um jovem esfomeado vagueia pelas ruas devido á sua pobreza, uma história que foca o facto de muitos andarem por essa ruas esfomeados enquanto outros comem até demais, enfim um mundo de contrastes.
A química entre Kanye e Kweli já é de longa data e não podia deixar de marcar presença em ‘In the mood’ que também fala daquela química especial que existe com o povo feminino, algo que é aprofundado no tema seguinte com o doce refrão de Norah Jones em ‘Soon new day’.
Isto não parece terminar e ainda só passamos da 9ªfaixa em 16, e não podemos ignorar aquilo que Pete Rock nos traz em ‘Electrify’, o 2ºsingle ‘ More Or less’, a incontornável presença de Krs-One em ‘Perfect Beat’, o relaxante 'Hot Thing’ e estranhamente o 1ºsingle em último no alinhamento, no entanto se é para terminar, que seja em grande.
Ainda sobra muito que falar devido à amplitude que o álbum apresenta, poderia gastar inúmeras linhas sobre os temas, o flow, a produção, os convidados e muito mais…o que fica é a ideia que Kweli está bem e recomenda-se, e tantos adiamentos acabaram por valer a pena quando falamos em mais um álbum para o Hall of Fame de 2007.


André Silva

Fikem bem

Comentários

DarkSunn disse…
Grande review! Thanks
Não fui eu pah! disse…
Um album enorme!