Questões banais....


É algo que me chamou atenção depois uma dica do Sam the Kid numa das inúmeras entrevistas que este tem dado, que é o facto de quando existe uma maior mediatização do HipHop tende sempre para uma banalização.
‘Mais do que nunca o HipHop está na moda’quantas vezes já lê-mos e ouvimos esta afirmação por aí, invariavelmente parece que estamos ‘condenados’ a estar na moda.
Mas o mais preocupante é a banalização das coisas, ou seja, aparece qualquer gaijo a mandar umas frases que rimam já é rapper, outros dançam e dão aulas de HipHop, meia dúzia de rabiscos numa parede e aquilo já é graffiti, todos querem ser dj’s e maioria nem sabe quem é Kool Herc, Grand Master Flash ou Premier, e se fizermos alguns sons com a boca já somos beatboxers e depois dizem que aqui há talento!!! (não estou a criticar quem foi ao programa, porque nem sequer vi, foi só uma ironia que me surgiu e depois reparei que podia ser mal compreendida).
A banalização surge de toda a mediatização que se faz do HipHop e aquilo que se passa nos E.U.A tenta ser implantado por cá aproveitando-se de um movimento que se foi autosustentando ao longo dos anos, longe dos holofotes da fama, mas quando se apercebem que este negócio até rende não custa nada explorar o filão. Até toques de telemóvel e pastilhas elásticas existem!!!
Somos uma tribo urbana que é capaz de atingir maior longevidade pois para além da música temos muito mais elementos que perpetuam a nossa existência, temos os nossos códigos e os nosso ícones tal como outras tribos todavia temos mais ramificações, apesar de hoje em dia os papéis de Mc, Dj, Writer e B-Boy estarem menos associados entre si, cada um deles estará sempre ligado á matriz principal: HIPHOP.
Banalizar alguma coisa é algo que acompanha as modas pois o que agora esta na moda para uns, amanhã é banalíssimo para outros, e é isso que acontece com estes ‘booms’de mediatismo do HipHop porque vão sempre aparecer muito e novos militantes, mas no fim só alguns se mantêm, e desses ao longo dos anos menos irão sobrar, mas o mal disto tudo é que nem sempre ajuda a levar as coisas para cima.
A minha maior preocupação está na parceria entre palavras como o banal e o fútil e como sempre a imagem que passa nem sempre é das melhores e há tendência de reduzir o nosso movimento a uma moda juvenil persistente.
Eu esforço-me para explicar às pessoas que as coisas não são assim mas tenho a sensação que estou a falar para as paredes e muito poucas são as que me levam a sério( o que me vale explicar que o HipHop já muito mais velho que eu, quando há pessoas que dizem que o Eminem é um dos pioneiros), no entanto acho que nos basta acreditar nas nossas convicções e seguir o nosso caminho como temos feito até aqui.


Keep it real


Fikem Bem
A.Silva

Comentários

mr_mute disse…
Ontem até vi no café aqui do lado umas Bubblicious Hip Hop!!!!